sábado, 9 de janeiro de 2010

Somos a Igreja

Somos a igreja
"Construindo as bases da afirmação"

     A afirmação é quase que unânime quando perguntamos a qualquer cristão sobre o que é a igreja. "A igreja somos nós", é o que dizem. Mesmo os denominacionais, frequentadores de templos, se mostram sempre muito bem informados quanto a esta questão, porém é notório que tal resposta imediata, quase que como reflexo, demonstra naturalmente uma ausência de consciência sólida, tornando sua bases claramente deficientes segundo fundamentações bíblicas. O que me proponho neste artigo é expor estas bases para que quando indagados sobre o referido não sejamos como papagaios repetindo coisas decoradas sem termos a mínima noção do que significam, mas sim tenhamos uma consciência muito bem fundamentada em Cristo. Primeiramente para termos um conhecimento sadio sobre este assunto é necessário estarmos cientes de que muitas informações tendenciosas, as quais nos foram imputadas pela religião e pelas tradições, devem ser no mínimo esquecidas ou no máximo tidas como meras sombras às quais apontam para a única e completa realidade que encontramos unicamente em Jesus. Feito isso, o primeiro ponto a tratarmos é sobre o templo. Não é de hoje que os templos são tidos pela maioria das religiões pagãs, bem como as cristãs, como um lugar sagrado com elevado significado espiritual. Esta concepção, de ter o templo como um lugar sagrado, vem de muito tempo e muitas religiões encontram seu aval na própria bíblia, uma vez que foi o próprio Deus quem incumbiu o seu povo a construir um modelo de templo o qual até mesmo os mínimos detalhes foram cuidadosamente apontados por Ele. De fato, num primeiro momento, o templo requeria ser um sinônimo do sagrado, no entanto havia um propósito e um tempo para que isso fosse assim. Paulo, o apóstolo, entende este tempo como "o tempo da sombra". Mais abertamente esta sombra diz respeito não somente ao templo mas também a toda lei e ordenanças encontradas no antigo testamento o que podemos tratar em outra ocasião. Em outras palavras o que ele esta dizendo aqui é que todos os caminhos da lei tinham um único propósito, nos conduzir a Cristo, ou seja, a lei era a sombra do Salvador. Veja Hebreus 10:1 "A lei, tendo a sombra dos bens futuros, e não a imagem exata das coisas, não pode nunca, pelos mesmos sacrifícios que continuamente se oferecem de ano em ano, aperfeiçoar os que se chegam ao culto". Certamente a lei era boa, mas insuficiente tratando-se da natureza do homem diante da santidade de Deus, por isso na sequencia ele escreve: "Tira o primeiro para estabelecer o segundo"(v9), uma vez que os homens não tinham permanecido na primeira aliança se fez necessário uma segunda aliança, já esta, perfeita, pois quem a firmou foi o próprio Filho de Deus derramando seu sangue, inocente, em favor da remissão dos pecados do mundo. Pois bem, dentro deste contexto encontramos, no antigo testamento, várias profecias apontando para "a imagem exata das coisas", ou seja, para o Messias. Entre elas, quero citar Ageu 2:7-9 "Abalarei todas as nações, e o desejado de todas as nações virá, e encherei esta casa de glória, diz o Senhor dos exércitos. A glória desta última casa será maior do que a da primeira, diz o Senhor dos exércitos, e neste lugar darei a minha paz, diz o Senhor dos exércitos". Entenda que, a primeira casa(o templo) tinha uma certa glória, contudo, a glória da segunda casa (?) seria maior do que a da primeira e isso se daria quando? Quando o Desejado de todas as nações chegasse, então Ele derramaria da Sua glória e da Sua paz sobre esta nova casa. Vamos avançar um pouco e ler Lucas 21:5-6 "Falavam alguns a respeito do templo, que estava ornado de formosas pedras e dádivas, então disse Jesus: Quanto a estas coisas que vedes, dias virão em que não se deixará pedra sobre pedra, que não seja derrubada", e ainda, João 2:19-21 "Respondeu-lhes Jesus:  Destruí este templo, e em três dias o levantarei de novo. Disseram os judeus: Em quarenta e seis anos foi edificado este templo, e tu o levantarás em três dias? Mas Ele falava do templo do Seu Corpo". Vamos entender o que estava acontecendo ali. Primeiro sabemos que o templo, para o judeu, possuía, e ainda possui, um valor inestimável para sua fé, de repente alguns discípulos se deparam com Jesus afirmando a destruição daquele lugar sagrado, obviamente isso deve ter causado algum conflito interior naqueles discípulos que talvez pensaram "Como Ele, sendo o Filho de Deus, pode falar assim da casa do próprio Pai?", "será que Ele é mesmo o messias?". Já no outro texto, agora se dirigindo diretamente aos judeus, Jesus afirma novamente a destruição do templo, porém aqueles homens interpretaram a informação de forma natural e não espiritual, pois como o próprio texto se completa, Jesus estava falando do Seu Corpo. Vamos entender isso. A primeira casa, o templo, tinha uma glória, mas era apenas uma sombra e insuficiente. Esta casa, o templo, seria derrubada, e Jesus em três dias edificaria a nova casa que teria uma glória muito maior do que a da primeira e seria completa, ok? Agora por um instante voltemos os nossos olhos para a cruz. Como sabemos foi Deus quem estabeleceu a lei, bem como também o templo, por isso Jesus declarou que não veio abolir a lei, mas veio cumprir a lei, pelo fato de que nenhum homem até então pode guardá-la completamente sem tropeçar em algum momento até porque somente alguém sem pecado seria capaz desta proeza e é aqui que Jesus entra. Jesus foi perfeito, não pecou em nenhum momento, sendo justo e digno de executar o plano de Deus. Quando Jesus está na cruz prestes a entregar o Seu Espírito ao Pai, Ele declara "Está consumado", ou seja, está feito, está cumprido. Com estas palavras a Luz de Jesus dissipou a sombra(a lei, o templo, pessoas sagradas, lugares sagrados, objetos sagrados)abrindo caminho a nova aliança, à glória da segunda casa. Note que foi exatamente nesta hora que a primeira casa, o templo, começou a ruir, o céu escureceu, o véu do templo se rasgou de alto a baixo(Mateus 27:51) destruindo o sacerdócio posicional, fazendo a todos sacerdotes diante de Deus. Como todos sabem ao terceiro dia Jesus ressurge dentre os mortos, ou seja, tudo já estava pronto para a chegada da glória da segunda casa, ou seja, o caminho já estava aberto para o Espírito Santo. Em Atos 2 vemos a profecia sendo cumprida, os discípulos sendo cheios da glória, pois eles, sob o governo de Jesus, constituíam a segunda casa. Você lembra o texto de Ageu? "E neste lugar darei a Minha Paz". Para confirmar, vamos ler João 14:26-27 onde Jesus diz: "Mas o Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito. Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou. Não vo-la dou como o mundo a dá". Como você pode perceber, Jesus edificou a segunda casa em nós, ou seja, em todo aquele que O recebe por Senhor e vive sob o Seu governo; e nos encheu de glória, dando-nos o Seu Espírito Santo. Sob o conhecimento destas coisas fica claro o porque durante quase três séculos os primeiros cristãos não construíram um templo se quer, eles entenderam que eles eram o templo, pois Deus não habita em templos feito por mão de homens(Atos 7:48), eles entenderam o mistério que esteve oculto durante séculos e gerações que é Cristo em nós a esperança da glória. (Colossenses 1:26-27) Eles entenderam que os seus corpos eram o verdadeiro santuário de Deus(1Corintios 3:16). Agora você entende porque Paulo quando fala sobre a igreja ele faz referencia a um corpo? A segunda casa, o templo do Seu corpo, somos cada um de nós, a verdadeira igreja. A igreja não é e nunca foi um edifício com uma placa denominacional, por mais magnifico, histórico ou moderno que ele seja. A história nos revela que somente depois da metade do segundo século d.C. começaram a construir templos novamente, certamente sob intenções políticas e jamais por uma direção de Deus, pois como a bíblia nos revela, a igreja crescia e se fortalecia de casa em casa. Se avançarmos um pouco mais no tempo, podemos ler em Apocalipse João tendo uma visão do futuro onde ele viu a Nova Jerusalém. Curiosamente diante daquela visão fantástica, João seguiu descrevendo tudo o que ele estava vendo até que ele percebe que nesta nova cidade não havia templo porque o templo era o próprio Deus e o Cordeiro.(Apocalipse 21:22) Jesus veio nos restaurar a imagem e semelhança de Deus, por isso nos fez templo do Seu Espírito, assim como o próprio Deus é o templo na cidade celestial. Definitivamente fica claro que os templos construídos por homens, a partir de Cristo, não servem a propósito algum a não ser enterrar o dinheiro de milhões de pessoas, dinheiro este que deveria estar sendo usado para suprir a necessidade de vidas, muitas vezes de muitos que não tem o que comer em casa, mas que aos domingos podem se sentar numa cadeira confortável e ser refrescado pelo ar condicionado enquanto ouve sermões programados, cheios de emocionalismo, sensacionalismo e promessas vazias  de prosperidade que pode ser alcançada desde de que o ouvinte passivo arrume um jeito de contribuir com a "casa de Deus". Está na hora do povo olhar para Jesus e parar de se deixar ser enganado, humilhado e extorquido. Pode ter certeza que todo o dinheiro que você possa estar investindo para cobrir de ouro os templos dos homens e assim engrandecer os seus nomes, não tem significado algum para Deus, não passam de sombras num monturo. Deus tem olhos para o verdadeiro templo, a igreja, formada de pedras vivas, pessoas, então se você realmente quer agradar a Deus invista em vidas, não em tijolos e concreto.
Concluindo, a igreja é formada de pessoas, não é um lugar, um templo, um santuário, uma mesquita. A igreja são milhares de pessoas, formando um só povo que vive rendido ao governo de Jesus, o Cabeça do corpo, a única autoridade.
Pode um reino dividido subsistir? Não, não pode!
Você acha que a igreja de Cristo está dividida? Não, não está!
A divisão que você está vendo está no seio do sistema que os homens inventaram e batizaram de igreja, que não passa de uma organização humana governada por homens. O reino dos homens é dividido(milhares de denominações), o reino de Deus não é, pois a verdadeira igreja é um organismo vivo, ligado pelo auxílio de todas as juntas, governado unicamente por Jesus e que hoje continua crescendo e sendo edificada em amor. Quer fazer parte deste reino? Leia a bíblia e seja livre em Cristo.


3 comentários:

M. D. Bueno disse...

Amado irmão Luciano Silva, shalom! Encontrei hoje (23/12/2010) esta sua postagem, e surpreendo-me do fato de ninguém tê-la comentado. Gostei muito, concordo plenamente. A Igreja do Eterno na Terra deve ser de fato "A IGREJA", e não as miríades de ImprEJAS EsbANGÉLICAS existentes no mundo hoje. Mas acredito que o Eterno, bendito seja Seu nome, em breve conduzirá a Igreja a uma restauração, através da qual voltaremos a ser chamados simplesmente de "O CAMINHO", nem que seja no ardor da tribulação. Reuniões serão feitas nas casas, enquanto possível, depois, nos porões, cemitérios, no meio da mata, e assim por diante... E os que fazem do povo negócio, serão abatidos.
Só então poderá vir o nosso amado, o Messias Yeshua (Jesus), ao som do último toque do shofar, como o relâmpago que sai do oriente e se mostra no ocidente para nos receber nos ares. Aí seremos vitoriosos sobre todos os que nos perseguiram e nos oprimiram.
Então finalmente teremos uma percepção do real tamanho do corpo do Messias nesta Terra.
Um grande abraço.

Famíla Silva disse...

A paz de Cristo Jesus amado irmão Luciano!
Que texto perfeito do irmão!
Gostaria de saber se posso usá-lo citando, obviamente a fonte?

RONALDO DIAS DE LIMA disse...

Caro Irmão,

este texto é realmente a essência de tudo no verdadeiro cristianismo. Os seres humanos são diferentes, têm diferenças implícitas que precisam ser "ajustadas/toleradas". Por isso, acho normal nunca ter encontrado um estudo, texto ou pregador com quem concorde 100%. Porém, é impressionante para mim ter, sem querer, encontrado e baixado seu livro na internet (A Igreja de casa em casa), pois concordo em tudo com o irmão. E o texto acima é fundamental. Glórias a Deus que existem mais pessoas pensando como eu, enxergando um caminho novo (na verdade velho) para a Igreja de Cristo.
Sou do Rio de Janeiro, sou formado em História e tenho formação missionária, congrego numa Igreja histórica, mas nos últimos anos venho identificando vários pontos que precisam ser mudados. Todavia, não quero ser o julgador, e também acredito que "não se pode por vinho novo em odres velhos"; Ou seja, venho sentindo o desejo de iniciar um novo trabalho, mas não uma nova denominação. Sei que ainda não tenho um direção certa e segura de Deus, apenas um forte desejo por renovação. E neste neste sentido, encontro estes textos, que começam a sinalizar um caminho. Obrigado Irmão!
Graça e Paz!
Ronaldo Lima.

Postar um comentário

 
;